Não há regras. Não há guião.

16:10


Quando iniciamos esta caminhada no mundo da maternidade a vontade de recorrer ao suporte social faz muitas vezes com que nos juntemos a muitos grupos sobre o tema nas redes sociais. Comigo não foi diferente. Mas cheguei a uma fase em que percebi que efectivamente o benefício de estar nesses grupos não era assim tão grande tendo em conta a informação muitas vezes completamente equivocada que é partilhada. Sei que quem responde às outras mães, partilhando o que consigo resultou em determinada situação ou fazendo outro tipo de sugestões, o faz sempre com a melhor das intenções e com a convicção de que o que está a partilhar é correcto e será útil para uma mãe em desespero. Mas a verdade é que nem sempre é assim e são muitas as vezes em que os conselhos dados chegam a ser perigosos. 

Os anos passaram e por diversos motivos, acabei por me voltar a juntar a um ou outro grupo, para além de ter criado o grupo fechado do blogue. E voltei a este mundo por dois motivos, o primeiro porque me serve de inspiração para escrever no blogue perceber as dificuldades porque passam as outras mães, e o segundo, porque sempre que me é possível, e tenho a certeza que posso ajudar naquele assunto, responder àquela mãe que se sente perdida. 

E como um dos assuntos que gera mais angustia aos pais são as noites mal dormidas, hoje quero escrever um pouco sobre isso. Não tenho fórmulas mágicas, porque ainda hoje, há noites em que a minha filha acorda ou vai para a nossa cama. Mas há algumas coisas que estes três anos e meio já me foram ensinando. 

Um das maiores aprendizagens que fiz é que tal como nós adultos somos todos diferentes, também os bebés são todos diferentes. Numa mesma família, com as mesmas rotinas, com os mesmos hábitos, um filho pode ter um ritmo e umas dificuldades e o outro filho ser totalmente diferente. Não há regras. Não há guião. E isso é muito importante perceber. Porque é quando se fazem as comparações que surgem as maiores angustias. É quando alguém diz "o meu filho com 2 meses dormia a noite" que a mãe que já não dorme 6 horas seguidas há 12 meses vai pôr em causa o seu papel como mãe. Cada bebé é único. É especial. Tem o seu ritmo e não há fórmulas mágicas e muito menos universais! 

Nos primeiros tempos de vida do bebé é perfeitamente normal que ele acorde de 3 em 3 horas para se alimentar. Seja dia seja noite. É perfeitamente normal que ele chore se o tentarmos deitar sozinho na alcofa ou no berço. Ele está ainda a habituar-se à vida fora do nosso útero. Está a habituar-se ao mundo exterior, a não ter contacto constante connosco. Ele sente-se desamparado. Assustado. Perdido. É normal que se acalme quando lhe damos colo. Quando o embalamos. Quando falamos com ele. É perfeitamente normal se ele só adormecer nos nossos braços ou em cima do nosso peito. E não, não estão a criar maus hábitos, estão a transmitir confiança. Estão a dizer ao vosso filho que ele saiu do seu ninho seguro mas que vocês continuam ao lado dele e estão ali para ele. 

Nesta primeira fase não há gotas mágicas, não há shampôs milagrosos, não há mezinhas especiais e não há truques. Nesta primeira fase só pode haver amor, colo, peito, embalo, tempo e protecção. Só, e apenas isso! O único segredo que posso dar-te e o único conselho sábio que tenho para ti é para que quando o teu bebe dorme tu esqueças a casa, a roupa e o que mais houver. Dorme com ele e descansa

You Might Also Like

0 comentários