Procura-se: Bom Senso!

16:28


Quem me lê e quem me conhece sabe que sou adepta da disciplina positiva, mas sabe também que não gosto de confundir este conceito com o de permissividade. Acredito que chegamos mais longe pelo amor, pelo diálogo e pelo entendimento. Mas também acredito que um Não num tom mais elevado e firme é importante. Se acredito que bater é solução? Se acredito que a questão "da palmada na altura certa" funciona. Não! Não acredito. Mas também sei que se há quem tenha a capacidade de nos levar aos limites são as crianças e também sei que há dias em que todo o diálogo do mundo é possível, mas há outros em que simplesmente não somos capazes. Porque acima de tudo somos humanos e como qualquer humano temos os nossos limites.

Como sei e sinto que é sempre possível melhorar, aprendendo novas estratégias para reagir às situações diárias que temos pela frente com os nossos filhos, gosto de seguir algumas páginas, alguns sites e de pertencer a alguns grupos sobre Disciplina Positiva e Educação Consciente. Ao longo destes últimos três anos tenho aprendido imenso e sinto que muito do que leio me ajuda bastante a melhorar a cada dia. Mas confesso que há uma coisa com a qual nunca saberei lidar. Por mais que me esforce não suporto fanatismos, extremismos e apenas preto ou branco. Tudo tem um contexto. Tudo tem e deve de ser analisado dentro desse mesmo contexto porque não o sendo vamos cair no erro das conclusões precipitadas. 

Li recentemente num destes espaços online um desabafo de alguém que viu uma mãe dar um estalo ao filho e se sentiu incomodada. Sinceramente quero acreditar que uma situação destas incomoda qualquer pessoa. Mas o que vi a seguir, nas respostas deixadas a este desabafo, para mim foi aterrador. Foram várias as pessoas a sugerir que se fizesse queixa na polícia ou na CPCJ sobre aquela mãe que tinha dado um estalo ao filho. Deixaram-se em forma de comentários leis e artigos que indicavam que teria sido um crime e que a pessoa que viu, ao não fazer nada, estava a ser cúmplice. E eu pergunto-me: como é que uma queixa poderia ajudar numa situação destas? Não estaremos a passar de um extremo ao outro? 

Volto a frisar que não acho que bater seja solução para nada. Acho mesmo que não resolve nada e é uma forma de humilhação. Mas acho também que para tudo tem de prevalecer o bom senso e se eu vejo alguém a agir de forma menos correcta com outra pessoa, seja criança ou não, o que eu devo fazer é tentar conversar com aquela pessoa e explicar-lhe que sei que está a fazer o seu melhor, mas que há outras formas de o fazer. A Disciplina Positiva não pode acabar na educação das crianças. Eu não posso querer tratar as crianças de forma empática e depois ser uma besta para os adultos que me rodeiam. Eu não posso nem tenho o direito de estragar a vida a ninguém, com uma queixa em lado nenhum, se não conheço o contexto e se não me consegui primeiro conectar com aquela pessoa e perceber as suas reais motivações.

"Conection before correction"

"O que acontece quando tentamos corrigir alguém com quem não temos ou não criámos conexão? Pensem como reagiriam se num acto de injustiça praticado por vocês, alguém viesse criticar? Se essa pessoa que vem criticar fosse alguém que não vos conhece ou com quem não se dão muito bem...? A tendência nesta altura é entrarmos em modo de sobrevivência... O nosso cérebro tem uma parte que é primitiva, responsável pelas situações de sobrevivência, que é activada quando nos sentimos ameaçadas... É muitas vezes esta parte que faz com que "saltemos" em cima de quem pratica a injustiça... mas também faz com que entremos na defensiva se alguém "saltar" em cima de nós... Portanto, se num processo de resolução de conflitos, o que usamos é a nossa parte primitiva do cérebro, corremos o risco de esquecer (ou de não conseguir pôr em prática) tudo o que o nosso cérebro desenvolvido aprendeu ao longo da vida." BC - Disciplina Positiva

Sinto que ainda tenho muito para escrever sobre estas situações e sobre os extremismos com que nos deparamos nos últimos tempos. Mas hoje fico-me por aqui, salientando que a Disciplina Positiva pode mesmo ajudar-nos a levar a educação dos nossos filhos de forma mais serena e mais prazerosa para todos. Mas que, tudo o que é levado ao extremo não pode ser benéfico. Os brócolos são fantásticos e ótimos para a saúde, mas se eu só comer brócolos durante um mês o resultado é capaz de não ser bonito! 

You Might Also Like

1 comentários

  1. Haja bom senso em tudo. Mas as pessoas são muito céleres a criticar, a julgar! A atirar a primeira pedra, sem avaliarem bem se alguma vez, elas próprias, tiveram atos menos corretos...

    ResponderEliminar