Divagações sobre isto de ser mãe e ter um blogue!

15:33




Muito se tem falado sobre isto de ser mãe, da maternidade ideal e da maternidade real. Estamos na era da partilha online e facilmente chegam até nós diferentes realidades todos os dias. E com esta avalanche de partilhas chegam as críticas em massa. Faz parte. Diria eu, que ando nisto dos blogues há alguns anos. Se alguém partilha apenas o lado positivo da maternidade há sempre espaço para se dizer que a pessoa quer fingir que o mundo da maternidade é sempre perfeito. Se, por outro lado, alguém se sente mais à vontade e predisposto para partilhar apenas as situações mais complexas, há de imediato alguém a perguntar porque raio foi ter filhos se é para passar a vida a queixar-se!

A verdade é que quem escreve e partilha os seus pensamentos, as suas ideias e o seu dia-a-dia [que será apenas e sempre uma pequena fatia! Acreditem que ninguém sabe nada da vida de ninguém só por meia dúzia de palavras!] está e estará sempre sujeito aos pensamentos e às críticas alheias. Mas também é verdade, que para tudo deveria existir um filtro chamado "bom senso", que vejo muitas vezes fugir em algumas caixas de comentários [por cá nunca aconteceu e sou muito grata por isso! Mas se acontecer prometo que também não vou perder anos de vida com isso!]

Para além de escrever, também leio muitos blogues e tal como a maioria das pessoas, há posts com os quais me identifico muito e há outros que acho um perfeito disparate. E o que é que eu, enquanto leitora, faço? Pergunto a mim mesma se a minha opinião e a minha perspectiva poderá ajudar de alguma forma naquele contexto. Se acho que sim, comento e deixo a minha ideia de forma educada. Se acho que não, porque penso mesmo que não há ali volta a dar, sigo o meu caminho. Podendo ou não voltar mais tarde. Tal como no nosso dia-a-dia em que há pessoas com as quais "os nossos santinhos não batem" como eu costumo dizer, e com as quais, mesmo sem que nunca nos tenham feito mal, não temos nenhuma afinidade e pura e simplesmente não nos identificamos, o mesmo acontece no mundo online. Há blogues que não nos dizem nada! Mas se na vida real às vezes, e por circunstâncias que nos são alheias, temos mesmo de conviver com as pessoas sem ter afinidades com elas, nos blogues não há nada que nos obrigue a isso. Então porque voltar? Porque estar a ler se já sabemos que não nos identificamos? Para quê estar a ler só para nos irritarmos? Não é preferível ler alguma coisa que nos dê alento? Eu acho mesmo que sim! E é o que faço! Se não gosto passo para a casa do lado, que e é como quem diz, para outro blogue. Porque pessoas queridas, se há coisa que não falta são blogues diferentes para ler. Há sobre todos os temas e para todos os gostos. Literalmente.

Enquanto blogger tento ser eu mesma. A verdade é que nisto da maternidade há dias perfeitos e há perfeitos dias de merda [sim, eu escrevi mesmo isto! E é o que sinto!]. Este é o meu blogue e por aqui tanto partilho os episódios lindos e maravilhosos, como também escrevo textos mais melancólicos nos dias em que estou de olhos no chão e cabelos em pé. Sempre mantive este registo e sei que há quem já tenha deixado de me ler nas semanas em que estou mais em baixo porque acha e sente que é demasiado depressivo. Compreendo! Mas por cá, quem leva o bom leva o mau. Kit completo! Porque eu sou mesmo assim e é também assim que quero que o meu blogue seja! Apesar de tudo, tento sempre ver o copo meio cheio [a sério que tento!] mas há dias em que é mesmo para chorar e dizer mal da vidinha, porque só assim é que é possível acordar no dia seguinte e arregaçar as mangas.

Quanto ao que por cá se escreve é mesmo aquilo em que acredito. Para mim não faz sentido falar de um determinado tema só porque sim, só porque está na moda ou só porque sei que é sobre aquilo que as pessoas querem ler. Pessoalmente escrevo apenas sobre assuntos que me dizem alguma coisa, para o bem ou para o mal. Mas pessoas, sou humana, como todos. E a título de exemplo, apesar de ter vários posts sobre os malefícios do açúcar na nossa vida e de partilhar apenas receitas onde o dito cujo não aparece, e de tentar que a alimentação da minha filha seja isenta deste pequeno veneno saboroso, ele também faz parte das nossas vidas. A semana passada, quando estávamos nas urgências, e já depois de duas máscaras e um Rx, a Bianca diz-me que tem fome. "Caramba, não trouxe nada para além de água!" - pensei eu. O que é que eu fiz? Fui à sala de espera ver o que havia na máquina e o que e que eu escolhi? Pois claro! Um pacote de bolacha Maria. E foi isso que ela comeu! Quatro bolachas Maria. Ter oferecido um pacote de bolachas à minha filha, num determinado contexto, quando escrevo por aqui que acho que não é a escolha mais adequada, faz de mim uma pessoa mentirosa ou de má índole? Ou tira a credibilidade ao que eu escrevo? Eu cá acho que não! E a minha consciência continua muito tranquila!

No fundo, o que queria partilhar convosco hoje, neste post que já vai longo, é que isto da maternidade é maravilhoso muitos dias, mas também há outros em que é muito complicado [como tudo na vida! E não há pecado nenhum em dizê-lo!]. Mas o que ajudaria mesmo muito a que esses dias mais negros fossem mais brilhantes, era se enquanto Mães, Mulheres e Seres Humanos, nos víssemos umas às outras como comunidade e não como partes integrantes de gangues opostos. Juro que já li por aí expressões como "o gangue da mama", "o gangue do LA", "o gangue da fralda de pano", "o gangue do açúcar", "o gangue do não grita, não ralha, não pia", e podia estar aqui a tarde toda e não perceberia. Não perceberia mesmo esta necessidade de apontar dedos e de questionar escolhas alheias.

Era [só] isto! Bom fim-de-semana

You Might Also Like

6 comentários

  1. Concordo plenamente!!! Entre as mães há muita crítica, muita competitividade... no entanto, creio que em certos aspectos algumas mães são mais críticas que outras. A primeira coisa que me ocorre é a guerra entre o LM e o LA. Vejo muitos ataques totalmente desnecessários, cada pessoa sabe de si e do melhor para o seu filho... as mulheres costumam defender que devemos ser unidas, mas depois no que diz respeito à maternidade parece que os "gangues" vencem sempre e há ataques a torto e a direito, uma insensibilidade que me surpreende sempre...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai, quando vi um comentário anónimo até suei! Pensei, é hoje :)
      Completamente de acordo! Cada um sabe de si!
      Abraço

      Eliminar
  2. Quantas e quantas vezes dou por mim a pensar isso. Vejo tantas partilhas de mães a mostrar o quanto são perfeitas em vez de ajudar as outras mães. Somos todas um só gangue, o gangue das mães.

    ResponderEliminar
  3. E com este post fiquei a conhecer o teu blog :) que giro! Segui-te *

    thebrunettetofu.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Por essas e por outras é que só sigo dois ou três blogues relacionados com maternidade, e não estou em grupo nenhum de mães em rede social nenhuma. Não tenho paciência para extremismos e ofensas pessoais!
    Continua no teu registo que gosto de te ler! Dás-me algum alento e força para ser um pouco melhor mãe (até fiz bolachas sem açucar, este fim de semana)! :)

    ResponderEliminar