Quando for com amor...

23:26


Leio com muita frequência que os filhos não devem dormir com os pais. Que é importante ter camas e quartos separados e que não se devem abrir excepções. Os argumentos são muitos para justificar estas ideias e confesso que muitos deles me parecem muito credíveis, outros nem tanto [mas é como tudo!].

Durante os primeiros meses a princesa da casa dormia connosco, no meio de nós. Era a única forma de ela dormir e nós também [por pouco que fosse!]. Depois, com calma e tranquilidade fomos começando a habitua-la a dormir no berço. Demorou, custou, houve dias sim e dias não, mas conseguimos. Sinceramente nunca dormi descansada nas noites em que ela dormia connosco porque tinha medo de a tapar, tinha medo de lhe dar uma cotovelada, tinha medo de me mexer e no fundo, tinha medo até de dormir!

No dia em que fez 6 meses preparámos o que faltava no quarto dela e foi dormir para lá. Sem dramas, sem ansiedades, sem dar conta de nada. Há noites mais difíceis mas de um modo geral não nos podemos queixar. No entanto, nos últimos dias temos tido um novo ritual. Entre as 7h00 e as 7h30 acorda e levo-a para a nossa cama para lhe dar mama. Na maioria dos dias já está acordada, mas está assim molengona e super querida, e ficamos ali na cama a namorar e a dormitar. Ora de mãos dadas, ora com a cabeça dela no meu peito, ora com os pés dela na minha boca... Somos capazes de ficar nisto horas e é tão bom, tão relaxante, tão próximo, tão especial, tão nosso! Se o nosso pediatra soubesse disto diria que é um péssimo hábito [assim como muitos outros pediatras], mas sinceramente não me parece que estes momentos de amor puro possam moldar de forma negativa a personalidade da minha filha, não me parece que estes momentos de ternura possam fazer dela uma ditadora ou uma pessoa arrogante. Posso estar enganada. Mas na dúvida prefiro pecar por excesso de amor...

Nem sempre. Nem nunca. Quando tem de ser. Quando deve ser. Quando queremos que seja. Quando for com amor...

You Might Also Like

2 comentários

  1. Na dúvida, e às vezes sem dúvida, também peco por excesso de amor. Adorei!

    ResponderEliminar