Passo Positivo - Banco de Fraldas

17 de outubro de 2017

A chuva de ontem veio trazer alguma tranquilidade e uma sensação de retorno à normalidade. Hoje o sol voltou a brilhar e a esperança a renascer. E é por causa deste sentimento de esperança que hoje partilho convosco um projecto bonito. 

 A Passo Positivo nasceu para colmatar lacunas de intervenção na área da exclusão social criando uma estrutura de voluntariado para o lançamento de campanhas de angariação de produtos destinados aos utentes das OSFL, organizar parcerias para o fornecimento de serviços de prevenção de acidentes domésticos na área da saúde e bem-estar das famílias carenciadas e desenvolver acções de formação para capacitar profissionais nos domínios da intervenção humanitária e da cooperação e desenvolvimento. 

A sua atividade assenta, atualmente, em três pilares principais e um de suporte: 
Projeto Banco de Fraldas 
Projeto Vizinhos 
Projeto Humanitus 
Palestras e Workshops 


Banco de Fraldas

O Banco de Fraldas pretende suprir as dificuldades na aquisição de fraldas em famílias carenciadas. Apoio a famílias portuguesas desfavorecidas e em situação de exclusão social que necessitam de ajuda face às dificuldades do quotidiano, quer a nível social, quer de saúde e bem-estar. A recolha de fraldas é centralizada no território nacional, com posterior distribuição targetizada a instituições devidamente analisadas. Todos os meses as instituições inscritas no no projecto, fazem os pedidos conforme as necessidades e novas famílias que vão recebendo. O Banco de Fraldas faz a entrega às instituições e as mesmas fazem a entrega às famílias.

Durante o mês de Outubro, a Passo Positivo está a fazer uma campanha de recolha nacional, e cada um de nós pode fazer a sua parte, deslocando-se a um dos pontos de recolha e deixando o seu donativo em fraldas. Quando se inicia o desfralde, muitas vezes sobram algumas unidades de fraldas, ou mesmo quando se adquiriu um grande stock para aproveitar promoções, e de um momento para o outro os pequenos dão um pulo gigante e as fraldas deixam de servir e ficam também algumas de lado. Essas fraldas, mesmo que sejam poucas, podem fazer a diferença na vida de muitas pessoas.
No site da Passo Positivo encontram uma lista extensa dos locais onde podem deixar o vosso contributo para esta causa! VEJAM AQUI! Obrigada ♥

Sem filtros

15 de outubro de 2017

A vida é complexa, mas a maternidade é talvez o auge da complexidade. Em cada passo dado parece haver um olhar a observar o caminho seguido e uma voz sempre pronta para dizer "Se fosse comigo..." e as mães vão criando filtros. Vão mostrando e falando apenas do que é bonito de se ver e de se sentir. Porque os olhares pesam e os dedos indicadores tocam e ferem. E em determinada altura começa a crescer uma culpa. A culpa de não se ser perfeita. A culpa de pensar que se as outras mães são capazes de fazer sempre tudo bem, nós também o deveríamos ser. Mas a verdade é só uma: Nenhuma mãe é sempre perfeita!

Eu até prezo pela alimentação saudável da miúda, cozinho, faço bolos caseiros e invento receitas sem açúcar. Eu até a deixo cozinhar comigo, meter a mão na massa e ter experiências sensoriais únicas. Eu deixo que ela me ajude em tarefas domésticas como estender ou dobrar roupa, limpar o pó ou aspirar e ela delira. Eu vou com ela para a rua apanhar folhas, mexer na terra. Muitas vezes lanchamos no jardim, de pernas cruzadas a apanhar o ar puro e a observar a natureza. Invento músicas. Pinto, faço legos, brinco aos médicos, às cozinheiras e passo horas sentada no chão da sala nesta vida. À noite leio uma história todos os dias. Leio, estudo e informo-me sempre que alguma coisa me parece menos bem. Quando alguma coisa corre menos bem tento usar o diálogo. Baixo-me ao nível dela e converso, explico. Já lhe pedi desculpas porque achei que o devia fazer. Levo-a ao parque, ao jardim e à praia...

Aos olhos de muitas mães sou a mãe perfeita. Mas o que elas não sabem é que há muitos dias em que a minha filha vai dormir sem tomar banho porque o meu nível de exaustão é tal que a energia já não chega para mais essa tarefa. O que elas não sabem é que muitas vezes o jantar é só um prato de sopa e uma peça de fruta porque a mãe que adora cozinhar tem dias em que também não lhe apetece. O que elas não sabem é que quando pedem coisas da escola, seja um trabalho, seja uma fotografia a minha filha é quase sempre a última a levar porque a mãe se esquece. O que elas não sabem é que esta mãe [nada] perfeita quase todos os dias lhe lava a cara à porta da escola com um toalhete porque se esquece de o fazer em condições, ainda em casa. O que elas não sabem é que esta mãe também fala alto e também diz que não. O que elas não sabem é que esta mãe não é nada perfeita simplesmente porque não existem mães perfeitas. Somos todas a melhor versão que podemos ser, cada uma à sua maneira. 

Afinal o que é isto de ser Mãe Sem Avental?

13 de outubro de 2017


O Grupo Mães sem Avental está a ganhar muita cor e boa disposição! Partilhas hilariantes, desabafos, artigos, dicas e muitos likes aqui e ali! Já somos mais de 400 membros! Significará 400 Mães Sem Avental? Afinal... O que é uma Mãe sem Avental?

O objetivo deste grupo incide em temáticas que geralmente fazem sentir a Mãe frustrada pela partilha de episódios com os filhos, que não perfazem os convencionais, dirigidos aos pais cheios de arrumação, lacinhos, ordem e finais felizes. Porque também existem e merecem tanto respeito por isso! Ainda assim, é necessário, nos dias que correm, aliviar a tensão parental diminuindo expetativas e promovendo resiliência. 

Ao fim ao cabo, é um processo em que nunca se sabe com o que se pode contar e em que o mais certo é falhar. Mas…O que significa falhar? Quaisquer que sejam as atitudes e peripécias com e sem avental, estas acabam por definir um determinado estilo que não se avalia somente em função do bom e do mau. Podemos antes pensar que há coisas que se conseguem e outras que podem ser melhoradas. O suporte social, a profissão, a personalidade, a capacidade de resolução de problemas, entre outros constituem fatores de coping que diferenciam o resultado final e a gestão de stresse parental. Por outro lado, o temperamento da criança e as suas vicissitudes conciliam-se numa perfeita (des)harmonia que oscila em função do momento. No fundo, os desafios habituais de qualquer interação, sendo que esta, a parental, é recheada de intimidade, sentimentos profundos, expetativas e muito, mas muito medo. 

O que é Afinal uma Mãe sem Avental? 
Baseadas nas nossas sugestões, algumas mamãs sugeriram esta lista caricata e sincera: 
1. A que é muito distraída 
2. A que tem muito poucas ou nenhumas competências de gestão doméstica 
3. A que preza pela alimentação saudável dos filhos mas come bolos às escondidas na despensa
4. A que passa a vida com os filhos na rua só para não os ter dento de casa
5. A que nunca traz lenços, nem toalhetes, e limpa narizes à própria camisola
6. A que anda sempre com toalhetes, porque só quando chega à escola se lembra que não lavou a cara ao filho 
Querem ver mais? Juntem-se ao Mães Sem Avental

A verdade é que temos um segredo para vos contar. Somos todas Mães Sem Avental. Umas escondem é melhor que outras. Algumas partilham, outras penalizam-se. Algumas refletem, outras aceitam. Outras há que, não pensam sequer em esconder e fazem muito bem! Até porque para se ser uma Mãe Sem Avental não é necessário cumprir todos os requisitos da lista acima. Na verdade, nem é preciso ser-se todos os dias uma Mãe sem Avental. Há dias em que o avental foge, desaparece, fica preso no tambor da máquina de lavar que foi ficando esquecido durante o tempo necessário. Outros há em que o Avental tem um aprumo digno da teoria educativa mais parcimoniosa. É o que é. Não faz mal. Somos humanos. Somos de carne e osso. As nossas crianças também. Este nosso Mães Sem Avental pretende retratar a parentalidade (& amigos) onde a versão “desarranjada”, desiludida, desaustinada cumpre mais o formato “ralação” do que relação. Será por isso, um grupo cheio de descontração, aceitação, partilha, leveza e muita mas muita paciência.

Psicóloga Sílvia Brites - maessemavental@gmail.com

Há coisas que as crianças não deveriam saber


Vi este vídeo no Cocó na Fralda e não podia deixar de o partilhar. Sou muitas vezes criticada e olhada de lado por tentar com que a minha filha não se entupa até às veias com açúcares e gorduras. "Ah ela vai ficar triste!", "Ah ela quando conseguir comer vai comer este mundo e o outro, e às escondidas!" são apenas alguns dos comentários que eu vou ouvindo. Quando me apetece explico. Quando sei que não vale a pena respondo com um sorriso. 

Cá em casa não praticamos a proibição, praticamos o bom senso, que são coisas completamente diferentes. E sim, ela tem 3 anos e nunca comeu mousse de chocolate nem bebeu refrigerantes. E não, acreditem que não é infeliz! 

Como explica este fantástico vídeo dos Lusíadas há coisas que as crianças não deveriam saber! E como a Sónia refere e muito bem "em Portugal, cerca de 1/3 das crianças têm excesso de peso e 17% sofrem de obesidade."